eMorte

Lendo “O Museu Darbot e Outros Mistérios”, de Victor Giudice, deparo-me com a frase ‎”Ninguém resolve a vida ou a morte numa quinta-feira”. Pelos vistos, a frase também se aplica ao facebook, já que, alguns minutos depois, ele perguntou-me se quero ser amigo do Carlos Pinto Coelho. Afinal, temos 66 amigos em comum e o facebook trata disso mesmo: amigos. Vida e morte não passam por lá.

A última frase que Fernando Pessoa escrevinhou antes de a cirrose o vencer foi “I know not what tomorrow will bring”, o que acabou por ser uma das suas citações mais frequentes depois do “primeiro estranha-se e depois entranha-se” com que ele introduziu a Coca Cola em Portugal durante o seu breve período enquanto copywriter. Aliás, se me recordo bem do “Fazer Pela Vida” de Mega Ferreira, esse período terminou devido a esse próprio slogan, que levou a que Ricardo Jorge, diretor de saúde de Lisboa, desconfiasse das propriedades narcóticas da nova bebida e mandasse atirar ao mar todo o stock que tinha chegado a Portugal, proibindo a sua comercialização. Como nenhuma agência quer trabalhar com um copywriter que faz com que o produto anunciado acabe com os peixes (a menos que se trate de coisas para aquários, mas não foi o caso), Pessoa nunca mais conseguiu trabalhar com publicidade. Mas, regressando: Pessoa era um poeta, conhecido, respeitado por um grupo de amigos fiéis, e escreveu uma última frase num papel, que alguém guardou, porque, enquanto poeta, a sua aproximação da morte expressa em palavras era considerada de valor para toda a gente. Mas todos nós temos blogs, facebooks, twitters. Todos hoje podemos ter o nosso “I know not what tomorrow will bring”. Aliás, pode até haver plágios de citações post-mortem, o que poderá levar à criação de um tribunal de direitos inteletuais no Além. Basta que, em vez de pedir um papel e um lápis, peçamos um laptop.

Depois de os nossos corpos se extinguirem, o que acontecerá a esses espelhamentos da personalidade que ao longo de anos fomos distribuindo por aí? E-mails, sites, fotografias, coisas de que já nem me lembro, ocultas por pseudónimos atrás de pseudónimos, de passwords e perguntas secretas. Um cadáver, material, duro, pode ser devorado por bichos e destruir-se organicamente a si mesmo. Mas este mesmo texto que estás a ler, leitor, só desaparecerá se alguém souber o meu nick e a minha password e o destruir. Ou, pelo menos, se um grupo organizado de velhas georgianas com machados cortarem estrategicamente linhas de fibra ótica por esse mundo fora. Dos dois fatos, não sei qual será o mais provável. Ou, por outras palavras, I know not what tomorrow will bring.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s