Canções do exílio: “Vampiro Doidão”

Quando comecei a frequentar as festas da república onde fui morar quando cheguei a São Paulo – que tem o descritivo nome “Um Dia A Casa Cai” – e me passavam o violão, punha-me normalmente a tocar blues. Isso porque gosto, mas também porque o blues toca-se com 3 acordes que dão para tudo. E havia sempre alguém que chegava e, no embalo, tocava o “Vampiro Doidão”. Raul Seixas, que eu só conhecia de saber que o Paulo Coelho tinha escrito letras para ele, é uma das lendas mortas do rock brasileiro, a tal ponto que gritar “toca Raul!” a alguém que está a atuar é um dos pilares da interação público/performer do país (uma espécie de “ò Elsa!” dita diretamente ao rabequeiro). E uma letra que dá a maconha como explicação para tudo na vida nunca deixará de espantar o sucesso.

Canção: Vampiro Doidão
Autores (pelo que consegui apurar): Os Impossíveis
Intérprete: Raul Seixas

Letra:
Puta que pariu, meu gato pois um ovo,
Mas gato não põe ovo, puta que pariu de novo.

Eu sou o vampiro doidão,eu sou o vampiro doidão
Passo o dia dormindo e a noite eu fumo um baseadão

Se droga fosse álcool eu morria de cirrose
Se álcool fosse droga eu morria de overdose

Sou vampiro doidão, sou o vampiro doidão
Eu to muito louco, etá baseado do bom!

Estava no escurinho, comemdo a empregada
alguém abriu a porta e eu comi a bunda errada

Eu sou o vampiro doidão, eu sou o vampiro doidão
Só faço sexo dentro do caixão

Gosto das moças virgens e das moças honrradas
Mas o que eu gosto mesmo é me infesta com a putalhada

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Só chupo sangue de menstruação.

Quando eu nasci, no bico da cegonha,
Na minha mamadeira foi dois quilos de maconha.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Eu fumo todas, e não abro mão.

Não sei como é que eu posso, não sei como é que eu pude,
Comer caco de vidro e cagar bola de gude.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Eu quero morrer todo peladão.

Marcelo é meu amigo, Marcelo é meu colega,
Eu vou fazer com ele o que o cavalo fez com a égua.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Passo o dia dormindo e a noite eu fumo um baseadão.

Eu vi papai Noel, montado num urubu,
Tomando Coca-cola e arrotando pelo cu.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Eu to muito louco, eita baseado do bão.

Humberto era careta, um cara retardado,
Fumou bosta de vaca e ficou muito pirado.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Só faço sexo dentro do caixão.

Eu fui ao cemitério e sentei na catacumba,
A puta da caveira beliscou a minha bunda.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Só chupo sangue de mestruação.

Pulei de pára-quedas, o pára-quedas não abriu,
Mandei o fabricante para puta que pariu.

Eu sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Eu fumo todas e não abro mão.

Quando eu morrer não joguem flores no caixão,
Podem jogar maconha que é pra eu subir doidão.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Eu quero morrer todo peladão.

Larica não tem hora, também não tem lugar,
Larica ta me dando mais vontade de fumar.

Sou vampiro doidão, eu sou vampiro doidão,
Passo o dia dormindo e de noite eu fumo um baseadão.

Anúncios

Um comentário sobre “Canções do exílio: “Vampiro Doidão”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s