Coisas de Portugal: João César das Neves


Desde que moro no Brasil e faço os possíveis para aproximar as duas margens deste lago atlântico, tenho principalmente falado aos portugueses sobre coisas brasileiras. Por isso, talvez tenha chegado a hora de falar aos amigos brasileiros sobre Portugal. E escolhi para começar algo bem especial, tanto que me intriga saber se conseguirei explicá-lo bem: João César das Neves.

Então, digamos assim: César das Neves é professor universitário, doutorado em economia pela Universidade Católica Portuguesa. É uma das caras mais conhecidas do conservadorismo português pelas suas aparições frequentes na TV e a sua coluna de jornal Não Há Almoços Grátis, sendo populares as suas apologias da família e dos valores tradicionais. César das Neves tem algumas ligações com pessoas importantes do Partido Social Democrata, o partido de centro-direita que está agora no poder. E ele tem uma barba muito viril e cara de quem não muda de roupa interior muitas vezes só para a poder usar como ataque para com interlocutores adversários, do estilo “este gajo a falar e a sentir-me o cheiro das cuecas: como lhe deve estar a custar!”. Mas César das Neves é, além disso tudo, capaz de algumas das afirmações mais corretas e certeiras na história das afirmações. Peguemos por isso nalgumas da sua crónica de 20 de Junho, de título “O poder dos bobos” (sendo que “bobos” não deve ser tomado necessariamente no sentido brasileiro de “fracos de espírito”, mas mais no de bobos da corte, jograis, ou seja, gente do entretenimento em geral).

Hoje a opinião mediática despreza e ridiculariza as referências morais tradicionais – pais, professores, sacerdotes, chefes e responsáveis – enquanto exalta as opiniões de artistas, bandas de música, comediantes e celebridades.

Reparem que César das Neves aqui não fala especialmente mal da autoridade moral destas últimas categorias de gente. Ele só não gosta que eles não sejam tradicionais. Se estivermos a falar de um ator com 80 anos, ele já é tradicional. Aí tudo bem. O único problema desta afirmação é que permite uma série de situações ambíguas. Como é que os media devem tratar alguém que é artista, mas também é pai? Ou um sacerdote que é também celebridade? Um comediante que é chefe numa empresa? E o meu pai, que é músico – como é que eu o devo tratar? Deverei sempre tentar entender se ele me está a falar como pai – e aí devo ouvi-lo e considerá-lo – ou como malvado e perigoso boémio? Seja como for, ao colocar “responsáveis” de um lado e os entertainers do outro, César das Neves implica que estes não são responsáveis, o que só lhe fica bem, pois é bem sabido que todas as pessoas do meio artístico não são sérias, não cumprem compromissos e, no geral, não merecem a confiança de ninguém.

Será que as séries, filmes e canções que hoje nos inundam a vida moldam o nosso comportamento? Se o fazem, não será para o bem. As preocupações oficiais com a moralidade nos filmes perderam-se nos anos 1960, passando a liberdade de expressão a critério ético absoluto, acima de todos os valores. Como os bons exemplos e temas educativos não criam emoção, cinema e televisão entraram numa espiral imparável de crime, vício, erotismo e aberração. Tem graça que os jornais, que mais apregoam essa influência, sejam os primeiros a declarar a inocência do espectáculo quando se verificam consequências nefastas.

César das Neves tem, mais uma vez, toda a razão. Monstros, vampiros, sexo e crime nunca tinham sido representados em momento algum da história da narrativa visual ou literária e não se compreende essa mania dessas séries e filmes agora andarem com esses temas que nada têm de apologético à saudável e fabulosa família tradicional, trabalhadora, casada e heterossexual. Foi só desde que as preocupações oficiais com a moralidade terminaram que eles começaram a ser tratados por esses perversos artistas, o que nos leva a pensar no que poderá ter levado sociedades inteligentes e racionais a terminar com os controlos prévios que impediam que eles surgissem antes dessas famigeradas revoluções – ou deveria dizer involuções? – morais dos anos 60. Na Bíblia, meus senhores, não existe nem um indício desses patricídios, fraticídios, infanticídios, mutilações, seduções, decapitações, purgas coletivas, onanismos e prostitutas que pululam na cultura atual.

A promoção de aborto, divórcio, promiscuidade e pornografia tem no espectáculo sólidos aliados. A enorme campanha à volta do casamento homossexual deve-se à influência dos artistas, principal meio poderoso e endinheirado onde essa orientação domina. Assim se entende que uma questão que interessa apenas à ínfima minoria, com implicações só na imagem, consiga mudar em poucos anos as regras seculares das sociedades. O suicídio colectivo do Ocidente por destruição da família sustenta-se por este meio.

É incrível o poder de argumentação de César das Neves. Afinal, como é que esses artistas se atrevem a encher este mundo de casais desfeitos, fetos abortados, sexo e perversão? Isso não é forma de se construir uma civilização. Para ajudarmos o progresso, temos de nos organizar, a todo o custo e independentemente dos nossos sentimentos, desgostos e situações particulares, em casais unidos, com uma prole gorda que aumenta a cada relação sexual (na razão de um filho a cada dois anos) e a quem a masturbação é interdita. Homossexuais, que não podem procriar, não deveriam estar casados, ou melhor, deveriam estar casados com mulheres, a quem eles encheriam o ventre frequentemente, estando depois livres para fazer o que quiserem com os amigos do café, onde, claro, recusariam beber tudo o que fosse alcoólico. São eles que nos matam enquanto sociedade. Se eles recusassem a sua homossexualidade, haveria muito mais crianças no mundo e a Europa poder-se-ia impor a todos os outros países como o avançado, educado e cristiano colosso que já foi em áureos tempos.

Esse poder traz horríveis efeitos sobre os próprios. O filme Sunset Boulevard, de Billy Wilder (1950), com William Holden, Gloria Swanson e Erich von Stroheim, revelou a miséria humana escondida atrás do brilho de figurinos e cenários. (…) A Forbes Magazine declarou a 18 de Maio Lady Gaga a celebridade mais poderosa do ano. Elton John, de 64 anos, e o seu parceiro David Furnish, de 48, foram nomeados candidatos ao prémio de Pai do Ano, (…) Que significa isto? Nada. Meros truques mediáticos que escondem mal a miséria de pessoas infelizes, embriagadas ou sacrificadas à imagem.

É por isso que tenho saudades de Portugal: porque lá, posso ver César das Neves vezes sem conta na televisão a falar sobre pessoas embriagadas pela própria imagem. E a sua autoridade, neste particular, é incontestável. Há muito pouca gente que sabe disto, meus amigos… mas a verdade é que César das Neves é o único português amigo tanto de Lady Gaga e de Elton John, a quem liga frequentemente sempre que anda de autocarro ou a sua higiene íntima está a demorar um bocadinho mais. Se alguém sabe se Elton John e o seu companheiro de 18 anos estão míseros depois de terem casado, assumido uma relação estável e adotado um bebé a quem darão uma vida confortável enquanto pais, é César das Neves. Se alguém sabe se Lady Gaga, a mais brilhante esteta pop da atualidade, é infeliz e sacrificada à imagem que ela parece fabricar e manipular sem problemas, é ele.

César das Neves deveria ter uma estátua erigida – uma estátua falante, no centro de Lisboa, que todos os turistas pudessem ouvir, só para levarem um pouquinho dos seus ensinamentos de volta para o seu país. E, só para um esclarecimento final, este texto não contém nem um pingo de ironia e eu não penso que João César das Neves é um aglomerado de qualidades ridículas e ignóbeis, das quais a pior é o modo como ele critica os media por estarem comprometidos com uma agenda de perversa imoralidades, os mesmos media que lhe dão repetidamente espaço para ele libertar as suas frustrações em diatribezecas baratas que atira para um mundo que felizmente, se está a cagar para o que ele diz. Não penso isso mesmo nada. Ouçam-no, meus amigos, ouçam-no bem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s