Uma das coisas de que me orgulho mais de ter feito no Brasil

Uma das perguntas que me fazem mais aqui começa por “lá fala…?” ou “sabe o que é…?”. Normalmente, não me importo e até gosto. Conheci muitas expressões tupiniquins assim e, se às vezes me perguntam uma coisa que obviamente existe em Portugal, é, presumo, porque não será tão óbvio para estrangeiros. Foi uma das formas por que fui conhecendo esta língua que, como diz o meu amigo Raphael, é a mesma que se fala em PT, mas não é a mesma que se fala em PT. E serviu-me também para concluir da total inutilidade de discutir o acordo ortográfico. Se alguém acha que é isso que vai fazer com que todos se entendam, chama um príncipe que te acorde, Branca de Neve.

Mas às vezes irrito-me porque, já se sabe, gente burra há em todo o lado. E o mundo sofre. Perdoa-me, mundo. Não consigo deixar de ser um Átila social de vez em quando. Mas nunca contra inocentes, que isso fique claro.

Então, deu-se o caso de uma noite ir ao aniversário do amigo de um amigo na Vila Madalena e estarem lá três moças, não mais de 20 anos, muito contentes por estarem lá. Talvez porque a maconha que fumavam estava enrolada em sedas transparentes, o que só por si já é bastante irritante. E a cara de felicidade nas miúdas quando perceberam que havia um mexicano, um francês e um português com quem podiam conversar! Gente, que da hora, né?

Bom, deu-se o caso de a conversa revelar que, se elas ainda tinham um neurônio na cabeça no início, fora competentemente assassinado pelo THC. O meu diabinho começou a espetar a espada quando elas sacaram um celular e se puseram a gravar a conversa como se estivéssemos a ser entrevistados para a rádio. “É que a gente faz sempre isso quando sai, sabe”. Sei, filha, e também sei que devias ter levado mais açoites quando eras nova. Mas quando elas pediram “digam uma gíria do país de vocês que não tenha no Brasil” e, virando para mim, perguntaram “sabe o que é gíria?”, o sangue ferveu-me a temperaturas nível Fukushima. O francês lá disse alguma gracinha, o mexicano também. E então o celular feito microfone de rádio virou-se para mim.

“Cunh..a…ni”. Os olhos delas arregalaram-se de espanto.
“Chunhani? O que é cunhani?”
“Cunhani… é… é quando estás a cozinhar, derramas algo e dizes ‘já fiz cunhani!'”.
E elas viraram-se umas para as outras dizendo “nossa, lembra aquela vez que fiz cunhani no jantar do meu irmão? Cunhani! Que legal, gente!”.

Só então me apercebi de todo o potencial do momento. E não consegui resistir. Posso ter comprado um lugar permanente e com vista panorâmica para o Inferno, mas tudo isso vale a beleza pungente do que se seguiu.

“Tem ainda uma palavra parecida com cunhani que também se fala em Portugal…”
“Qual?!”
Cona. Sabe o que é?”
“Cona?! Não! O que é?”
“Então, cona é muito usado entre mulheres. Se você acha que tua amiga ou tua mãe está muito bonita, você fala ‘você está muito cona'”.
E eu juro que lágrimas correram pelo meu rosto quando nesse momento elas se viraram umas para as outras e disseram “nossa, amiga, como você está cona hoje!”. “Ah, não, querida, você está muito mais cona do que eu”. “Não, não, amor, você não está cona, você é cona!”

Pude então desligar-me da conversa. A minha função estava completa. Eu sabia que o acaso cósmico me tinha levado até aquele trio por alguma razão. A razão era aquela. E eu desejo ardentemente que uma pessoa que saiba mesmo o que é “cona” um dia ouça aquela gravação e se mije a rir tanto como eu me mijei. Se isso acontecer e eu souber, vou dar mil e uma graças a Deus. Ou ao Diabo.

6 comentários sobre “Uma das coisas de que me orgulho mais de ter feito no Brasil

  1. Hahahaha! Elas mereceram. Tente dizer que “buçanha” ou “xereca” em Portugal é algo como “margarina” e “pirulito” da próxima vez que topar com essas garotas inconvenientes. Hahahaha! Um abraço!

    Curtir

  2. Não gosto desta tua história.
    É boa, mas menor em relação a tantas outras. Ainda não descobri bem o que é que me faz não lhe achar muita graça…mas realmente não acho.

    Os meus parabéns pelas restantes. São de louvar e apreciadas pelo público em geral.

    beijos

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s