Coisas do Brasil: a lei do psiu

No cardápio do Papo, Pinga e Petisco, na Praça Roosevelt, vem uma “curiosidade” entre as cervejas e as caipirinhas:

Aqui, neste local, foi realizado o primeiro show de Elis Regina em São Paulo, no ano de 1964.

Era meia noite e o White Album dos Beatles tocava a altos berros. Na verdade, parecia uma versão condensada do White Album, porque as canções soavam mais rápidas do que o costume. E, talvez, não seja o White Album, porque, no preciso momento em que escrevo isto, está a tocar a Let It Be, que é do álbum homónimo. Enfim. O fato ainda mais curioso do que a “curiosidade” é que, logo por baixo da info sobre a mãe da Maria Rita, vem o aviso a bold:

Nosso Bar respeita a “Lei do Psiu”, pedimos que não excedam no barulho.

O que me leva a duas perguntas. A primeira: será que a Elis poderia ter tocado aqui em 1964 se já houvesse lei do “psiu”? A segunda: quem batizou ela de lei do “psiu”? É que “psiu” pode ser “silêncio”, mas também pode ser “psiu, ó para mim aqui te chamando…”. Porque não lei do “chut”? Ou lei do “calou!”? Ou lei do “eu quero dormir, poha!”? Ou lei da “coña marinera”? Definitivamente, houve falta de imaginação.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s