Um gajo, emigrante e tudo, a pensar a crise


1. Lembro-me de o Sócrates dizer algo como não querer o FMI em Portugal e preferir fazer as coisas em estilo insider job, e o Passos Coelho insistir na campanha eleitoral “não, senhor, o que é isso, o FMI tem que entrar, sim, senhor, está tudo doido ou quê?”. Passos Coelho ganhou as eleições, Portugal foi, mais uma vez, o bom aluno e fez o que lhe mandaram. Mas agora, depois de o próprio FMI meter o rabinho entre as pernas e vir dizer que afinal talvez se tenha enganado no que pediu, Passos Coelho proclama que o que está a dar em soluções de crise é retirar carga fiscal às empresas e passá-la para a já sobrecarregada classe média. O Sócrates não teria feito melhor, mas também é verdade que o gajo gastou uma porrada de dinheiro para salvar o banco cavaquista. Então, a culpa é do Sócrates ou dos cavaquistas? Talvez seja dos pais do Cavaco, sem cuja conceção não haveria cavaquismo e, como tal, BPN. Ou talvez seja dos pais dos senhores da troika, mas cheira-me que será melhor não os incomodar, porque eles devem andar mais preocupados com os filhos a serem roubados nos elétricos de Lisboa. E agora, o que fazemos?

2. Abro o site do Público e leio: “Seguro abre a porta ao chumbo do próximo Orçamento do Estado”. Noticiazinha relacionada: “PSD responde a Seguro: ‘Qual é a alternativa?'”. Noticiazona seguinte: “Hollande garante imposto extra para ricos: Presidente francês garantiu que os vencimentos acima de um milhão de euros serão taxados a 75% sem excepções”. Parece que há aqui algo óbvio que alguém não quer ler. E agora, o que fazemos?

3. Entretanto, a Islândia saiu sozinha da crise. E eu sei que é uma economia muito menor, e que as causas da queda lá não foram semelhantes às da portuguesa, e blablablá, mas, foda-se, um país inteiro foi à bancarrota de um dia para o outro, pôs os responsáveis no banco dos réus, reescreveu a Constituição com participação de representantes comunitários e – pasme-se – discussão pública (no Facebook) dos artigos em revisão e pôs-se de pé outra vez, sem pedir ajuda a ninguém, em menos de 4 anos. E agora, o que fazemos?

4. Portugal não tem uma moeda própria que possa desvalorizar para estimular as exportações. O que tivermos que fazer, será dentro da União Europeia. E eu curto a Europa e tudo, mas já estou um pouco farto deste machado permanente sobre as cabeças das pessoas: “ai, meu deus, e se a Grécia sair da moeda única, ai, meu deus, e se nós sairmos da moeda única?”. Se sairmos da moeda única, saímos, foda-se. Nós entramos na CEE há 26 anos, e 26 anos são só uma porra de uma migalha de tempo. Eu vivi 6 anos antes dessa Europa toda e não me lembro de as pessoas andarem pelos cantos a morrer de fome. Mas, se é para tentarmos todas as soluções, porque é que não somos mais proativos e, em vez de andarmos a choramingar e a estender a mão, propomos um regime temporário de incentivos fiscais a empresas europeias que façam negócio com as da Grécia, Portugal e Espanha – incentivos ainda maiores se forem feitos entre empresas desses mesmos 3 países? E vocês perguntam: o que sabes tu de economia para dizer estas coisas? Eu respondo: nada, mas parece que os senhores que diz que sabem também não lhe mandam muito jeito para a coisa. E agora, o que fazemos?

3 comentários sobre “Um gajo, emigrante e tudo, a pensar a crise

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s