SP vs. RJ

SP-RJ

A verdade resumida é que eu gosto de São Paulo e o Rio de Janeiro não me seduz assim tanto.

Eu até consigo curtir o Rio e estar lá bem. Mas, depois de alguns dias, dá-me logo a vontade de voltar. Não consigo ficar muito tempo. Aquilo pode ser maravilhoso, mas não é para mim.

Às vezes, perguntam-me porquê. Às vezes, eu próprio me pergunto porquê. Como é que um gajo passa de crescer no campo até morar no centro da 4a maior área metropolitana do mundo? E porque é que ele não se sente adequado quando deixa esse ninho de cimento e vai até uma cidade com uma paisagem miraculosa, rodeada por morros verdíssimos, com uma das orlas costeiras mais conhecidas do planeta e alegria carimbada à nascença em qualquer criança que lá nasce?

Poderia ser porque eu nunca fui muito de praia e em qualquer rua do Rio de Janeiro eu tenho a impressão que estou em Vila Praia de Âncora. Uma Vila Praia de Âncora com 6 milhões de pessoas, mas, ainda assim, uma Vila Praia de Âncora, semeada de lojas de toalhas de praia, calções de praia, bronzeadores de praia e óculos escuros dos chineses de praia.

Curiosamente, tenho um amigo de Vila Praia de Âncora que mora no Rio de Janeiro. Ele parece-me bastante bem lá, o que só prova o meu argumento.

Poderia ser porque me faz falta um pouquinho de depressão nas pessoas à minha volta. Essa depressão desobriga-me de me comportar de um determinado modo. E no Rio de Janeiro eu sinto sempre que tenho a obrigação de sorrir e de estar animado e zen. Ora, eu não quero sorrir e estar animado e zen. Eu quero estar mal humorado e só fazer pausas para me rir inapropriada e negramente das pessoas. Este é o meu segredo escuro, por isso não o contem a ninguém.

Num monólogo para um programa que não deu certo (quem sabe por causa do próprio monólogo), defendi uma tese que me saiu meio que de improviso, mas da qual cada vez me convenço mais: o Rio de Janeiro é como maconha. É leve, convivial, encantatório. Mas São Paulo é como uma droga dura. Pode destruir-nos lentamente, mas não nos conseguimos livrar dela.

E é assim que chegamos à prova fenomenológica definitiva de que eu, português de Monção, passado por Coimbra e Lisboa, sou uma pessoa de São Paulo. É que, entre Adoniran Barbosa, poeta da rua paulistana, e Cartola, bardo do amor carioca, prefiro Adoniran. Fico feliz por morar num mundo que nos deu os dois, Cartola cantando “Acontece” comove-me, sinto-me esmagado pela humanidade na sua música. Mas uma diferença é chave para mim: se recusado por uma mulher, Cartola escreveria uma melopeia sobre o amor mal correspondido que se tornaria imediatamente um património da condição humana. Já Adoniran era malandreco, tortuoso e com defeitos. Quando teve os seus avanços recusados por uma morena num salão de bilhar na São João (onde eu moro), perguntou-lhe o nome. Ela respondeu “Iracema”. E ele disse “Iracema… eu vou te matar!”. E então ele fez um samba em que uma mulher chamada Iracema atravessa a São João em contramão… e é atropelada.

httpv://www.youtube.com/watch?v=NM7xM_rIFls

Entre o poeta que chora e o poeta que mata, prefiro o segundo. Entre a cidade que dança e a cidade que mata, prefiro a segunda. E eu não imponho esse argumento a ninguém, mas eu não abdico dele.

Anúncios

Um comentário sobre “SP vs. RJ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s