Ir de bicicleta dobrável para o trabalho em São Paulo

Isto é só um complemento às dicas preciosas da Sabrina Duran.

Lisboa, um dia de 2008. Chego a casa frustrado por perceber que é impossível enfrentar a subida até à Graça, onde moro, com a bike que comprei. Penso que poderia ter gasto um pouco mais e comprado uma dobrável, que, se dobrada, é considerada bagagem e, portanto, pode entrar a qualquer hora nos transportes públicos.

Corta para São Paulo, 2016. Na última Black Friday, comprei uma Durban One, uma bike dobrável bem simples, de uma marcha. Passei um mês pedalando para a produtora e reduzindo a caminhada de 20min para metade. Mas vou gravar um programa em breve, o que significa um percurso até ao estúdio de caminhadinha-metrô-trem-caminhada. Então, decidi testar essa integração da dobrável com os transportes.

Veredicto: funciona.

Assim que cheguei ao metrô, no momento em que punha a dobrável do outro lado da porta de quem passa de cadeira de rodas ou com carrinhos de bebês, um funcionário avisa-me: “tem que estar embalada”. Já sabia disso. Passo na catraca, tiro da bolsa o saco de lixo que pedi ao porteiro no dia anterior e ponho a bicicleta dentro. Sim, o saco de lixo serve como “embalagem”. E o resto do percurso de trem será assim.

A dobrável no saco, esperando o trem parar.

A dobrável no saco, esperando o trem parar.

Isso da bicicleta ser embalada parecia-me frescura da CPTM e do Metrô, mas dou o braço a torcer, faz todo o sentido. Uma bicicleta tem metais saindo, correia com óleo, rodas com poeira. É uma exigência absolutamente razoável para que, no aperto, ninguém suje a calça nela sem querer.
A Durban dentro do trem.

A Durban dentro do trem ocupa o espaço de uma mala de viagem.

Há outras regras de “etiqueta de usuário ciclista” que eu poderia não ter seguido, porque a bike dobrada e embalada deixa de ser “bicicleta” e passa a ser “bagagem”, mas a verdade é que elas também acabaram por me facilitar a vida. É mais confortável pegar o último vagão, porque normalmente tem menos gente. E é bom esperar todas as pessoas embarcarem ou desembarcarem, porque evita bater com a bike em alguém e faz a tarefa de carregá-la bem mais confortável.
No trabalho, a bike ficou num cantinho, sem incomodar ninguém.

A bike ficou num cantinho do trabalho. sem incomodar ninguém.

Em suma, o tempo das caminhadas foi reduzido, carregar a bike no metrô não foi complicado e, no final, deu tudo certo. E, só para desfazer possíveis enganos, apesar de não ter alergia a me mexer, não sou nada “Geração Saúde”. Odeio academias, fumo e como tudo o que dizem que não se deve comer. Mas acho que a vida deve ser prática, e a bicicleta dobrável sem dúvida torna a vida na cidade bem mais prática. Por isso, é importante dizer que usá-la não é para superpessoas.

3 comentários sobre “Ir de bicicleta dobrável para o trabalho em São Paulo

  1. Gostei do seu relato. Muita gente não conhece as vantagens de uma bicicleta dobrável.
    Eu tenho uma Durban Commuter, que é uma “filhote” da sua hehe. É da mesma cor, inclusive, mas de aros 16″.
    Eu voltei a pedalar em SP graças a essa pequena. Hoje não a uso mais, pois faço o trajeto todo com uma Fixa/SS (mais SS do que fixa rsrs).

    Cicloabraço.

    Curtir

  2. Poooxxaaa, sempre usei a dobrável aro 16″ dobrada na CPTM sem embalagem… mas hoje me barraram e exigiram que estivesse embalada, fato que nunca aconteceu…
    ***Tive que deixá-la no Bicicletário….***

    Jorge e Leandro cicloabraços…. joaozinho

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s