Os cães

Devia ter uns 16 anos e voltava para casa à noite. Não sei porquê, decidi fazer um caminho alternativo e subir por uma ruazinha em vez de seguir na estrada principal. A meio da subida, vi uma matilha. Os donos dos cães deixavam-nos soltos à noite e eles juntavam-se para matar umas galinhas, comer lixo e foder. Os cães viram-me também, e eu soube que, se voltasse para trás, eles correriam atrás de mim. Então, segui em frente. Começaram a latir muito, mas eu não olhei para eles. Fixei um ponto no fim da rua e, de cabeça erguida, continuei, caminhando normalmente. Quando atravessei no meio deles, os cães enlouqueceram e eu senti medo, mas não parei, não corri e não desviei o olhar. O barulho era ensurdecedor e dois atiraram-se a mim de boca aberta. Senti os dentes deles na pele do meu braço, mas eles não fecharam a mandíbula, não me morderam. A volúpia deles era a de me assustar e o atrevimento acabava aí. Saí do outro lado da matilha, e os cães pararam de latir. Quando dobrei a curva, olhei para trás, temendo que me perseguissem. Não o fizeram. Nessa noite aprendi uma lição e sei exatamente qual.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s